16 de out de 2007

FILOSOFANDO

Estava agora há pouco dando uma pequena pausa no trabalho e navegando pela net atrás de algo divertido. Deparei-me com uma frase de Aristóteles que dizia:
"Considero mais valente quem vence os seus desejos do que quem vence seus inimigos, pois a mais árdua vitória é sobre o ego."
Fiquei pensando muito sobre o significado dessa frase e acabei me deparando com outra de um tal de J. S. Mill, que sinceramente eu não faço a mínima idéia de quem seja. A frase dizia assim:
"Aprendi a procurar a felicidade limitando os desejos, em vez de tentar satisfazê-los."
Aí que eu me encafifei de vez, porque eu sempre disse que a felicidade verdadeira está na certeza do querer. E o que se quer com certeza deve ser necessariamente algo que nos expanda o caráter e a personalidade, aprimorando, consequentemente, nossa alma. Mas de algum modo, acho que meu jeito de pensar se encaixa nos pensamentos expostos acima.
Nem sei porque, mas me veio à cabeça uma cena do primeiro filme do Harry Potter, aquele da Pedra Filosofal. A cena mostrava o pequeno bruxo diante de um espelho mágico que mostra a imagem daquilo que mais queremos no mundo. Enquanto ele se esbaldava com a imagem de seus falecidos pais o abraçando e beijando, o mestre diretor da escola de bruxos, Alvo Dumbledore, dizia que o espelho era perigoso e que muitos haviam sucumbido diante dele.
Após sofrer esse magnífico insight, eu cheguei à conclusão que somos os únicos e exclusivos culpados por nosso sofrimento e que nossa grande dor está dentro de nós, manifestada por essa nossa constante insatisfação com o que temos e essa incansável busca de futilidades.
Não ouso falar o que realmente precisamos e o que devemos desejar, até porque eu também estou em busca dessa sabedoria. Mas creio sim que essa verdade, como diversas outras, está dentro de nós só esperando pra ser descoberta e revelada.

8 comentários:

Anônimo disse...

J. S. Mill era um atacante do corinthians na década de 60/70. Como o time almejava títulos, mas nunca ganhava nada, ele acabou proferindo este pertinente bordão.

Cabelo.

Lestat disse...

A gente tenta fugir do tema futebol, mas essa galera é noiada em bola mesmo. Excelente piada, Cabelo.

Anônimo disse...

Nós todos somos idênticos como seres humanos e individualmente únicos. Desejamos todos, indistintamente, a felicidade e não o sofrimento.

Mesmo que não possamos resolver certos problemas, não devemos nos frustrar. Como humanos devemos enfrentar a morte, a velhice e doenças, que, tal qual um furacão, são fenômenos naturais que fogem ao nosso controle. Devemos enfrentá-los, não podemos evitá-los. São sofrimentos que já bastam em nossa vida. Por que criarmos mais problemas por apego à nossa ideologia ou porque pensamos de maneira diferente? É inútil e triste! Milhões de pessoas sofrem com esse tipo de problema. É um verdadeiro desperdício, visto que podemos evitar o sofrimento adotando uma atitude diferente e reconhecendo a humanidade à qual as ideologias deveriam servir.

Anônimo disse...

Filho,

O texto acima é do Dalai Lama, não sei de onde tirei, sei que tenho uma cópia na minha mesa e acho que encaixa com seu pensamento.

Concordo com tudo.

Sascoalp

Anônimo disse...

Só um detalhe, larga a mão de ser mentiroso, eu aposto que você estava lendo a Caras e viu essas duas frases. Aí com medo de parecer um tricobicha frangona que fica lendo Caras, vem dizendo que viu na Internet.

Assuma sua frescura.

Ps. Onde mais se encontraria uma frase do aristóteles e uma do J.S. Mill!!!.

Sascoalp

Anônimo disse...

Caro Lestat, Pense: O menor caminho entre dois bares é uma RETA, portanto pare de frescura e vá até um que tudo passa....

Suil

Armand disse...

Concordo em genero, numero e gral com nosso amigo Suil. Alias, seu comentário gerou-me certe sede. Vamos tomar hoje?!
Vá ao bar mais proximo e me aguarde.
E não se preocupe
Vou com meu carro.

Anônimo disse...

Um excerto pertinente:
"...abre seus braços meu irmão, deixa cair / pra quê somar se agente pode dividir / eu francamente já não quero nem saber / de quem não vai porque tem medo de sofrer / ai de quem não rasga o coração / esse não vai ter perdão" ("como dizia o poeta" Vinicius/Toquinho)

Obs: Vai ler a profecia de novo, ao invés da revista caras. E me empresta depois pq perdi o meu.

Vrano