25 de ago de 2009

VIAJANDO

- Você sabe o destino desse voo?
- Não sei. Tanto faz. Perdi o avião que eu queria e preciso ir pra algum lugar.
- Perdeu o avião? E por isso precisa mudar de rota? Um pouco de paciência e você pega outro avião pro mesmo rumo.
- É, concordo. Mas é angustiante ficar nesse aeroporto vendo tanta gente passar com passagem na mão, sorriso no rosto e destino certo. E eu aqui parado, esperando o próximo voo...
- E porque perdeu aquele voo, se era tão importante?
- Não sei. Acho que me atrasei. Quando cheguei aqui só consegui ver ele decolando e sumindo no céu.
- Talvez você nem quisesse entrar nesse avião mesmo, já pensou nisso? Talvez tenha atrasado por isso.
- É, pode ser.
- Então como pode ter certeza que outro voo e outra rota irão te servir?
- Não tenho, mas, já que planejava viajar mesmo, ficar aqui me parece errado. Além do que, não quero perder mais um voo.

7 de ago de 2009

LIVRE INICIATIVA

Ambulantes vendem Tamiflu falso em Porto Alegre, diz jornal

Do UOL Notícias

Em São Paulo

Além de receitas e atestados médicos falsos, ambulantes irregulares vendem unidades falsas do remédio Tamiflu, usado no tratamento da gripe suína, no centro de Porto Alegre. Segundo reportagem publicada nesta quarta-feira (5) pelo jornal gaúcho "Correio do Povo", dez unidades são vendidas por R$ 100, mas quando o comprador abre o pacote, descobre que comprou antigripais ou analgésicos comuns.

De acordo com a reportagem, o comprador paga adiantado pelo remédio e recebe um pacote plástico fechado, sem identificação. Sem dar tempo ao cliente, os ambulantes pedem que a compra seja examinada longe do local, para evitar a fiscalização.

O Ministério da Saúde recomenda que o Tamiflu seja administrado a pacientes gripados somente com acompanhamento médico, para evitar que o vírus A (H1N1) ganhe resistência.

Além disso, o medicamento deve ser usado em até 48 horas após a data de início dos sintomas. O tratamento deve ser oferecido somente a pessoas que tenham desenvolvido doença respiratória aguda grave. Em mulheres grávidas, que fazem parte do grupo de risco da gripe suína, a droga só pode ser utilizada se o benefício for maior que o risco ao feto.

Os principais fatores de risco para complicações causadas pela influenza A (H1N1) são a idade inferior a dois anos ou superior a 60, imunodepressão (caso de pacientes com câncer, Aids ou que fazem uso regular de medicação imunodepressora), condições crônicas como cardiopatias, diabetes, asma e bronquite, gravidez e obesidade mórbida.